segunda-feira, novembro 07, 2005

Silmido


Coreia do Sul, 2003, 135Min.

Com o recente crescimento do cinema coreano, filmes com maior orçamento têm sido lançados para os ecrãs de cinema, normalmente focando pontos e / ou episódios marcantes da história Coreana. É o caso de Silmido – Código de Honra, um blockbuster de grande sucesso, baseado em factos verídicos.

A acção decorre em 1968. Um comando norte-coreano infiltra-se em Seul, com o objectivo de assassinar o presidente Park Jeong-hee. A operação fracassa e como medida de retaliação, os serviços secretos sul-coreanos decidem pôr em prática um plano para eliminar Kim Il-seong, o líder da Coreia do Norte. Para esse efeito, recrutam cerca de trinta indivíduos à margem da sociedade, sobretudo condenados à morte, que são levados para uma ilha deserta (denominada Silmido), com o objectivo de os tornar máquinas de morte e de os motivar ao cumprimento de uma missão que, supostamente, precipitaria a união da península coreana.

Silmido gerou enorme polémica no seu país, devido principalmente ao seu tom de crítica política a um acontecimento real, numa península ainda hoje dividida pelo Norte e Sul. Muitas vozes de desconforto se ergueram, principalmente contra a forma como a história foi contada e como os personagens foram descritos.

Muitas vezes comparado com o filme americano The Dirty Dozen, Silmido perde-se na concepção Épico / Melodrama, o que acaba por ser a sua maior fraqueza. A primeira metade é um épico de guerra puro (um pouco como a primeira metade de Full Metal Jacket – assistimos ao treino dos soldados), enquanto que a segunda metade é recheada de laivos melodramáticos. De duração um pouco excessiva, o realizador Woo-Suk Kang não consegue brilhar em nenhum dos registos.

No entanto, tem os seus pontos positivos, nomeadamente, grandes cenas de batalha (muito bem coreografadas), excelente fotografia e partitura musical que enfatizam na perfeição as partes melodramáticas e épicas da película. A nível interpretativo contém personagens fortes, credíveis e bem delineados. Por outro lado, o excesso de machismo, masculinidade e patriotismo conferem algum exagero ao filme.

Como entretenimento, Silmido é um filme aceitável, talvez longo demais e com os pontos negativos já citados anteriormente. Não é das melhores obras coreanas. O problema será já termos visionado filmes americanos do género, por isso a comparação poderá não ser justa. Mas de facto, comparativamente com um homónimo americano, mesmo com as limitações apontadas, não é um filme inferior; não traz é muita coisa de novo a não ser a abordagem histórica a um acontecimento real.

Para quem gostar de épicos de guerra com um tom dramático acentuado, não deve perder Silmido, com a vantagem de que é baseado em factos reais, logo temos a possibilidade saber um pouco mais sobre a história da Coreia do Sul.

Classificação: 6/10

Sérgio Lopes

2 Comments:

Blogger Nic said...

Sobre tambem a relacao entrea as 2 coreias (sul-norte), gostei muito do JSA http://www.imdb.com/title/tt0260991/

2:21 da manhã  
Blogger cine-asia said...

Já visionei e por isso hei-de falar no JSA - Joint Security Area. É do Park Chan Wook (Oldboy, Sympathy for Mr. Vengeance), por isso, estamos a falar de um autor de luxo no panorama do cinema asiático. Cumprimentos.

Sérgio Lopes

2:24 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home