segunda-feira, dezembro 12, 2005

Red Shoes (Boon-hong-sin)


Coreia do Sul, 2005, 105Min.

Página Oficial - Trailer - Fotos

Sinopse: Sun-Jae, após se separar do marido, muda-se para um pequeno apartamento, nos subúrbios, com a sua filha de seis anos de idade. Após encontrar um par de sapatos rosa numa carruagem do metro, a sua vida irá entrar numa espiral de paranóia e pesadelo, exercendo inexplicável influência na vida de Sun-Jae…

Crítica: Mais um filme de terror baseado num objecto amaldiçoado que exerce uma influência sobrenatural sobre os personagens. Foi assim em “one missed call” e “phone” – telemóveis, “Ringu” – uma cassete de vídeo, “Gabal” – uma peruca ou “Cello” – um violoncelo, entre outros. Em “Red shoes” é um par de sapatos cor-de-rosa (sim, na realidade são bem cor-de-rosa e não vermelhos) que de certa forma, influencia as atitudes e maneirismos de mãe e filha.

A partir do momento em que os sapatos são encontrados por Sun-jae, estranhas mortes ocorrerão e acontecimentos inexplicáveis surgirão. O objecto cria tal obsessão, que até mãe e filha lutam (literalmente) pela posse dos tão almejados sapatos cuja origem e possível maldição que paira sobre eles provém dos tempos coloniais.

O realizador Kim Yong-gyun (Hypnotised), conhecido pelo cuidado visual apurado nas suas películas, cria novamente, em “Red Shoes”, planos de uma beleza estética assinalável. Por outro lado, centra toda a narrativa na personagem feminina central e na sua dificuldade em retomar a sua vida após um divórcio e uma mudança de casa. É neste indefinição psicológica que o cineasta traça o desenrolar da narrativa.

A partitura musical da autoria de Lee Byung-woo (compositor do fabuloso “A tale of two sisters”) cria um ambiente verdadeiramente assustador, em determinadas cenas, recorrendo a sons electrónicos ou suspiros vocais que em sintonia com os planos de câmara de Kim Yong-gyun, são bastante eficazes.

A actriz Kim Hye-su tem um desempenho bastante bom na composição de uma mãe com desejos e expectativas legítimas, embora pessimista e psicologicamente afectada. O espectador nunca sabe se esse estado de espírito deriva directamente da situação vivida por Sun-Jae ou se tem ligação directa ao objecto amaldiçoado.

No entanto, o filme peca devido à indefinição de argumento: Afinal de contas, o que provoca os acontecimentos estranhos e as mortes em catadupa? No final, ficamos sem saber. O famoso twist final inexplicável tão apreciado pela maioria dos cineastas asiáticos do género, acaba por estragar uma película que até tem bastantes pontos positivos. Desafio a quem visionar o filme que consiga determinar qual o sentido que a cena final no metro (assustadora e esteticamente muito boa mesma), ou seja, o pseudo-twist final…

Em suma, “Red Shoes”, tem os seus pontos positivos, mas não deixa de ser apenas mais um filme de terror asiático. Poderia ser muito melhor…

Classificação: 5/10

Sérgio Lopes

2 Comments:

Blogger Fernando_Vilarinho said...

boas Sérgio!
vi a tua lista há pouquinho.
Muito estruturada.
Tem lá cenas que à partida estou interessado.
mas agora vou hibernar uma semana e meia na net pois tenho afazeres académicos inadiáveis.
depois falo contigo

boa semana

fernando

5:13 da tarde  
Blogger cine-asia said...

Boas Fernando. Depois encontramo-nos então pessoalmente qd te der jeito, uma vez que somos ambos de Gaia, ok?

Dps diz qk coisa.

Cumprimentos,

Sérgio Lopes

11:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home