sábado, abril 08, 2006

Samurai Commando Mission 1549 (Sengoku Jieitai 1549)

Japão, 2005, 119 min.

Página Oficial e Trailer - Fotos

Sinopse: Em outubro de 2003 um acidente numa experiência militar transporta uma unidade Jieitai para Período Sengoku, uma era de guerra, há 400 anos atrás. Os responsáveis pela experiência achavam que todos tinham morrido ou simplesmente desaparecido, mas 74 horas depois um samurai dessa época aparece no exacto local onde ocorreu o desaparecimento. Deduzindo que eles foram enviados para o passado por um portal do tempo, os cientistas calculam a próxima abertura do portal para exactamente 2 anos depois do incidente. Para resgatar os soldados, o exército convoca um ex-tenente Yusuke Kashima (Yosuke Eguchi) para liderar o grupo. Mas não é só para resgatar os soldados que o exército organiza essa nova missão (chamada Operation Romeo). Desde que o primeiro grupo desapareceu, surgiu ao pé do Monte Fuji um misterioso buraco negro que suga e consome tudo à sua volta. Os cientistas deduzem que o buraco surgiu devido ao paradoxo no tempo e, para evitar que o Japão e talvez o mundo seja consumido pelo buraco, já que ele cresce cada vez mais, é necessário trazer o grupo de volta e evitar igulamente a mudança do curso da História do Japão!

Crítica: É com grande prazer que debuto no Cineasia comentando uma superprodução japonesa que visionei no cinema em meados de 2005. Como moro no Japão há quase 7 anos, muitas produções asiáticas que só chegam ao ocidente diretamente em video e DVD eu assisto no grande écrân. Samurai Commando Mission 1549 é um remake de GI Samurai, grande clássico de Sonny Chiba de 1979, cujo título original em japonês também era Sengoku Jieitai, mas sem o 1549. O enredo básico de ambos os filmes é sobre uma unidade jieitai (“força de auto-defesa”, pois no Japão não se usa mais o termo “exército” desde o fim da Segunda Guerra) inexplicavelmente transportada para o passado. Imaginem soldados modernos, com os seus helicópteros, tanques e metralhadoras enfrentando samurais montados em cavalos com seus katanás!
Porém, as semelhanças entre as duas produções acabam por aí. Enquanto GI Samurai baseava-se mais num drama sobre relacionamentos interpessoais, Samurai Commando Mission 1549 é um tremendo épico sci-fi, com um enredo bem mais complexo do que o original de Chiba. No filme de Chiba, por exemçlo, não se explicao porquê de os soldados serem transportados para o passado e nem há a preocupação em não assassinar ninguém pra não ocorrer um colapso na história do país.

A actuação sólida de todos os actores e o cuidado com a reconstituição da época, inclusive no dialecto utilizado pelos samurais, são detalhes que saltam aos olhos (e aos ouvidos, pelo menos de quem entende um pouco de japonês).Yosuke Eguchi, um popular actor de TV, interpreta um típico herói charmoso que os japoneses - e principalmente as japonesas - adoram! O veterano Takeshi Kaga é um ótimo vilão de expressão dura e implacável. Kyoka Suzuki é outra actriz popularíssima da TV que fez um óptimo trabalho.

O filme desenrola-se a nível narrativo muito bem e mantém o interesse até o final, com uma inevitável reviravolta na estória. Para quem conhece bem a história do Japão (como o meu pai, por exemplo) essa reviravolta é, de certa forma, previsível, mas não menos interessante. Já para os leigos, como eu e a maioria do público fora do Japão, esse detalhe acaba não tendo o mesmo impacto, mas o filme diverte mesmo assim. O trailer passa a impressão de que o filme é mais movimentado do que realmente é, mas ainda assim eu afirmo : é diversão de primeira!

Curiosidade: Este filme em especial vai ficar marcado eternamente na minha memória por um motivo inusitado : ao entrar no cinema, o realizador Masaaki Tezuka estava a ser entrevistado no palco antes da exibição do filme!!! A sala estava lotada, vários repórteres estavam a cobrir o evento e tal. Pensei que esse tipo de eventos só acontecessem em Tóquio, mas Tezuka veio até Nagano e contou várias curiosidades sobre essa mega-produção, como o facto de se ter sentido como o próprio Kurosawa ao coordenar centenas de figurantes nas cenas de batalha, ou o facto da actriz Kyoka Suzuki ter aceite participar no filme sem sequer ter lido o argumento, só pelo facto de ser um remake de um filme que ela gostava muito. Depois da entrevista de cerca de 40 minutos, foi exibido o filme e, na saída, ele estava a distribuír autógrafos. Logicamente não perdi a oportunidade, pedi para autografar a capa do booklet (que coloquei no Scanner e reproduzi abaixo), dei-lhe um aperto de mão e elogiei o filme. Só faltou eu tirar uma foto pra mostrar a vocês que não estou mentindo, eh eh.

Classificação: 7/10

Takeo Maruyama

2 Comments:

Anonymous tf10 said...

Ainda aguardo pelo DVD com Subs em ingles.....

8:22 da tarde  
Blogger cine-asia said...

Eu não vi, mas pela crítica do nosso colaborador Takeo,com o privilégio de o ter visionado em cinema, parece ser uma boa proposta...

Cumprimentos,

Sérgio Lopes

9:20 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home